Todos os artigos > Super-Small-Data, plataforma de clusterização da Logan, é ampliada para entrega de uma publicidade mais assertiva
Super-Small-Data, plataforma de clusterização da Logan, é ampliada para entrega de uma publicidade mais assertiva
Share on Facebook Compartilhar Share on Twitter Compartilhar Share on Linkedin Compartilhar Send email E-Mail Print this Imprimir Com 230 milhões de smartphones em uso no Brasil, o marketing mobile é um dos principais pilares quando o assunto é publicidade e propaganda em pequenas telas. Por isso, a Logan – empresa líder de marketing mobile …

Super-Small-Data, plataforma de clusterização da Logan, é ampliada para entrega de uma publicidade mais assertiva

Publicado: 07.06.2019 - 15:21, por eCompare.com.br

Share on Facebook Compartilhar Share on Twitter Compartilhar Share on Linkedin Compartilhar Send email E-Mail Print this Imprimir Com 230 milhões de smartphones em uso no Brasil, o marketing mobile é um dos principais pilares quando o assunto é publicidade e propaganda em pequenas telas. Por isso, a Logan – empresa líder de marketing mobile …

Share on Facebook Compartilhar

Share on Twitter Compartilhar

Share on Linkedin Compartilhar

Send email E-Mail

Print this Imprimir

Com 230 milhões de smartphones em uso no Brasil, o marketing mobile é um dos principais pilares quando o assunto é publicidade e propaganda em pequenas telas. Por isso, a Logan – empresa líder de marketing mobile na América Latina, ampliou o escopo e atuação da Super-Small-Data, tecnologia responsável por avaliar e classificar usuários de dispositivos móveis em grupos específicos, a fim de melhorar o engajamento com publicidades móvel. A tecnologia conseguiu alavancar o número de clusters e de usuários baseada no volume de impactos acumulados em mais de 2.500 campanhas, clusterizando assim mais de 300 milhões de IDs (150M no Brasil) divididos entre mais de 280 tipos de clusters de comportamento.

Com esta expansão da tecnologia, será possível, ainda, trackear os device-IDs dos dispositivos móveis, cruzar informações com fontes 3rd party com os dados que a Logan reúne das interações históricas que um usuário teve ao longo do tempo com as diferentes campanhas publicitárias que foi impactado. Outro ponto positivo desta ampliação da Super-Small-Data é o Brand Cluster, que permite que a Logan consiga criar, para cada marca, um cluster dos IDs que interagem com suas campanhas e, assim, gerar os targets específicos por interesses. Só no Brasil a empresa já conta com mais de 190 brand clusters.

Para o Diretor da Logan no Brasil, Francesco Simeone, o objetivo da aposta da ferramenta está na persona atrás do celular e não na pessoa em si. “O mais importante é que a única informação armazenada pela Logan é o Device ID. Assim, é uma forma segura para as empresas encontrarem as informações que necessitam sem invadir a privacidade do consumidor. A Logan não usa tecnologia SDK proprietária assim que é impossível para nós cruzar o ID com dados pessoais de cadastro. Estamos atentos às necessidades do mercado, na transparência e segurança das informações”, encerra Simeone.

Super-Small-Data e personalização do marketing mobile

Com o uso do Super-Small-Data, os clusters e a audiência podem ser definidos por dados demográficos, segmentação tecnológica do aparelho, aplicativos instalados ou mais utilizados pelo usuário, além de dados de geolocalização e histórico de interação de campanhas por marcas ou formato.

Atualmente, a publicidade mobile possui peculiaridades em diversas frentes, principalmente na segmentação de audiência. Segundo a Head Comercial da Logan Brasil, Silmara Reis, as ad techs precisam acompanhar as mudanças no marketing mobile: “Baseada nessa necessidade que sentimos no dia a dia do mercado, a Logan ampliou a plataforma para aproveitar todos os dados e informações, que podem ser acessados via smartphones e, assim, entender melhor o comportamento do usuário. Tudo isso com o objetivo de entregar uma mídia mais assertiva”, explica Reis.

Ainda em 2019, a empresa irá lançar uma versão SaaS (sigla de Software as a Service) da plataforma, na qual será possível operar a ferramenta de forma remota. Com isso, as marcas poderão analisar e ativar perfis comportamentais dos clusters que desejam impactar e entender o tamanho da base a ser trabalhada.