Todos os artigos > Os desafios de gerir operações de varejo na era digital
Os desafios de gerir operações de varejo na era digital
Share on Facebook Compartilhar Share on Twitter Compartilhar Share on Linkedin Compartilhar Send email E-Mail Print this Imprimir Gerir uma operação de varejo no Brasil não é desafio para qualquer um. Além dos diversos desafios fiscais, tributários e jurídicos, o consumidor informado e digitalizado exige cada vez mais experiências incluídas nas jornadas de consumo. A …

Os desafios de gerir operações de varejo na era digital

Publicado: 24.04.2019 - 17:40, por eCompare.com.br

Share on Facebook Compartilhar Share on Twitter Compartilhar Share on Linkedin Compartilhar Send email E-Mail Print this Imprimir Gerir uma operação de varejo no Brasil não é desafio para qualquer um. Além dos diversos desafios fiscais, tributários e jurídicos, o consumidor informado e digitalizado exige cada vez mais experiências incluídas nas jornadas de consumo. A …

Share on Facebook Compartilhar

Share on Twitter Compartilhar

Share on Linkedin Compartilhar

Send email E-Mail

Print this Imprimir

Gerir uma operação de varejo no Brasil não é desafio para qualquer um. Além dos diversos desafios fiscais, tributários e jurídicos, o consumidor informado e digitalizado exige cada vez mais experiências incluídas nas jornadas de consumo.

A tecnologia sem dúvida é o grande catalisador dessa mudança no comportamento de consumo, e também o grande aliado das empresas para oferecer experiências integradas e fluidas, independente dos canais que o consumidor interage.

O nicho de supermercados é o que mais avançou nessa corrida inovadora, onde big players de outros mercados tomam a frente como a Amazon nos Estados Unidos com a Amazon Go, Alibaba na China com a Hema Store e o surgimento de novos players como a Zaitt, que já dispõe de lojas autônomas operando no Brasil.

No mercado da moda, oferecer uma experiência omnichannel através do conceito de O2O (online-to-offline) já se mostra mais como uma commodity do que um diferencial competitivo. Lojas como Amaro, que surgem nativamente com a experiência de compra integrada entre o digital e o mundo offline se tornam cada vez mais comuns, e as grandes redes varejistas como Renner, Riachuelo e Zara já seguem este mesmo caminho.

A evolução do comportamento de consumo vem acontecendo em uma velocidade tão intensa, que se torna difícil tentar prever sobre o que estaremos falando daqui a 10 anos. A evolução de mercados consolidados como o de grocery é uma prova disso. Onde seria natural pensarmos em nomes como Walmart, Carrefour e GPA liderando estas iniciativas, vemos Amazon e Alibaba reinventando a experiência de varejo. Ampliando a visão sobre outros setores, basta olhar para startups como Netflix, Spotify e Nubank, que estão  revolucionando os mercados em que atuam.

Este cenário impõe um desafio de gestão nunca visto antes, onde as organizações e seus gestores precisam, não somente adquirir novas skills, mas também absorver um novo mindset. Planos estratégicos de longo prazo dão lugar à MVP’s (Minimum Viable Product), pesquisas de mercado dão lugar à big data e análises preditivas, processos operacionais evoluem com metodologias ágeis e automação e as estratégias de marketing baseadas em atributos de marca e produto estão dando cada vez mais lugar para estratégias centradas no consumidor, em suas dores, necessidades e anseios.

Os gestores precisam estar constantemente atualizados com as novas tecnologias, modelos de negócios e ferramentas disponíveis para romper os desafios enfrentados no dia a dia. Novas áreas precisam ser criadas dentro das empresas, outras precisam assumir novos papeis, mas acima de tudo, precisam entender o digital como um conceito e não uma área de TI, uma tecnologia ou equipamentos avançados. É a forma de pensar, gerir e escalar negócios que será o grande responsável por manter vivo e escalar seu negócio.

Etapas do big data como coleta, unificação e análise estratégica de dados passam a integrar o dia a dia destes profissionais. Mas além de ter capacidades de análise de grandes volumes de dados, os gestores têm que ter a capacidade de transformar insights extraídos dos dados em ações, e tudo isso com grande velocidade.

Para suprir esta necessidade, surgem no mercado ferramentas que se utilizam de recursos de aprendizado de máquina e inteligência artificial para capilarizar estes desafios, imprimindo mais um desafio aos gestores: compreender e operar cada uma destas plataformas. Veja alguns exemplos:

CDP – Customer Data Platform

Plataforma que agrega todos os dados cadastrais, demográficos e comportamentais dos consumidores nos diferentes canais de um negócio, integrando todas as suas interações, visitas, preferências e compras realizadas em diferentes locais e dispositivos, permitindo à empresa enxergar cada cliente de uma forma holística. Estes dados são coletados e enviados à diversos sistemas através de integrações online. Além disso, estas plataformas contêm algoritmos capazes de segmentar, clusterizar e extrair insights sobre a sua base de clientes de uma forma que não seria possível manualmente.

PIM – Product Information Manager

É a plataforma capaz de gerenciar de forma unificada os dados de produtos. Similar à CDP, nela se concentram todos os dados, textos, imagens, fichas técnicas, vídeos e demais dados relacionados ao seu catálogo de produtos. Ela é alimentada através de integrações com softwares de fornecedores e outras fontes, e é onde o cadastro dos produtos é enriquecido e distribuído para diferentes canais e softwares em larga escala de forma padronizada. Com estas plataformas, as informações se mantêm atualizadas em tempo real em todos os canais da empresa, e através de integrações com plataformas de acionamento de dados, os insights podem se tornar campanhas de marketing personalizadas 1:1, onde mesmo com uma base de milhares de clientes, cada um recebe uma mensagem personalizada conforme seu perfil.

Marketing Cloud

São plataformas onde é possível planejar campanhas cross-channel (acionadas em vários canais através de diferentes formas como e-mail, SMS, Push Notification e anúncios online). Elas utilizam dados comportamentais dos clientes (provindos da CDP ou de outras fontes) para ativar campanhas em tempo real automatizadas e personalizadas em grande escala. Imagine que ao comprar um produto de bebê em uma loja especializada, após informar alguns dados básicos, ela consegue enviar campanhas personalizadas para o seu consumidor, adequadas com a fase de crescimento da criança e de forma automatizada.

Personalization Platforms

São plataformas que se utilizam de todas as interações e dados do cliente (provindos da CDP ou de outras fontes) para personalizar a recomendação de produtos adequada à cada pessoa em diferentes canais, no mundo digital e físico. Isso permite com que ao entrar em uma loja física, o vendedor identifique o cliente e saiba quando foi sua última compra, última vez que navegou no e-commerce da empresa, se deixou algum produto no carrinho, informações sobre o tamanho e cores de sua preferência chegando até mesmo à recomendações de quais produtos o vendedor deve oferecer ao cliente com base em seu comportamento histórico.

Estamos em um tempo em que a tecnologia permite, através de informações de geolocalização, interações digitais e físicas, saber profundamente os gostos e preferências de cada consumidor.

O diferencial competitivo está justamente em quem aciona da melhor forma estas tecnologias em prol da experiência do cliente. Estas passam a ser as estratégias prioritárias para negócios de varejo.

Hoje, estes temas ainda não estão disponíveis nas faculdades, pós-graduações e MBA’s das principais instituições de ensino no Brasil, o que traz à tona mais um pré-requisito essencial aos profissionais e empreendedores à frente dessas operações, o de serem autodidatas, garimpando conhecimento espalhado na internet, com capacidade de testar por conta própria as diversas plataformas e estratégias disponíveis.

Apesar de ser um grande desafio, é o que possibilita o ganho de margens diferenciadas e a fidelização de clientes em mercados de alta concorrência.