Todos os artigos > Nasce a EuCarbono, o marketplace do consumo consciente que gera recursos para conservação ambiental
Nasce a EuCarbono, o marketplace do consumo consciente que gera recursos para conservação ambiental
Transformar o ato de consumo individual em benefício para o planeta. Com este propósito surge a EuCarbono, shopping online que reúne diversas categorias de produtos e serviços alinhados com consumo consciente e ainda vai além, ao destinar 10% de seu lucro a projetos dedicados a recuperar recursos naturais. Isso significa que a cada clique de …

Nasce a EuCarbono, o marketplace do consumo consciente que gera recursos para conservação ambiental

Publicado: 02.07.2019 - 17:49, por eCompare.com.br

Transformar o ato de consumo individual em benefício para o planeta. Com este propósito surge a EuCarbono, shopping online que reúne diversas categorias de produtos e serviços alinhados com consumo consciente e ainda vai além, ao destinar 10% de seu lucro a projetos dedicados a recuperar recursos naturais. Isso significa que a cada clique de …

Transformar o ato de consumo individual em benefício para o planeta. Com este propósito surge a EuCarbono, shopping online que reúne diversas categorias de produtos e serviços alinhados com consumo consciente e ainda vai além, ao destinar 10% de seu lucro a projetos dedicados a recuperar recursos naturais. Isso significa que a cada clique de compra, o consumidor não apenas adquire um produto ou serviço que passou por uma cuidadosa curadoria “verde”, mas também contribui efetivamente com iniciativas comprovadamente sérias de reflorestamento de áreas devastadas, conservação de biomas, despoluição de rios e mares ou ainda que forneçam educação ambiental para crianças. Apenas para citar algumas possibilidades.

A EuCarbono surgiu de um incômodo da publicitária Marina Schneider, que não conseguia deixar de pensar na corresponsabilidade dela, enquanto consumidora, com a manutenção dos recursos do planeta. “Por que as grandes indústrias são as únicas a pagar pela poluição que emitem na atmosfera se o que elas produzem é para o consumidor final? Por que algumas delas têm de comprar créditos de carbono para mitigar os gases poluentes emitidos na confecção de seus produtos? ” Transformar este questionamento surgido em 2015 em um modelo de negócio que se sustentasse virou a missão de vida dessa brasiliense nascida coincidentemente em 15 de outubro, Dia do Consumo Consciente.

Foram 4 anos de muito suor, pesquisa e planejamento para entender como este propósito poderia virar um negócio plausível, factível e financeiramente viável.  “Chegamos à conclusão que as pessoas querem e vão continuar comprando, e que a solução era atender estes desejos de consumo com uma contrapartida em benefícios para o planeta”, conta Marina. A forma encontrada pela EuCarbono foi criar este fundo ambiental próprio, uma espécie de “poupança verde”, que sai do lucro da empresa e não do bolso do consumidor. “Destinamos 10% do lucro da empresa para a recuperação dos recursos naturais, então imagine comprar uma camisa e saber que parte dela é uma árvore, um rio menos poluído ou a conscientização de uma criança em relação ao  meio ambiente.”

O marketplace já nasce com mais de 200 produtos e a cada dia novos contratos são fechados. De bicicletas elétricas a esmalte e batom veganos; de óculos de madeira reciclada, passando por viagens de transformação. A ideia de reunir em um só lugar diferentes categorias de produtos e serviços alinhados com o consumo consciente não é exatamente nova; o que é novo nessa leitura é que a EuCarbono entende o consumidor de uma forma muito mais ampla. Além dos 10% destinados para o fundo ambiental, a curadoria das empresas e produtos é fundamental nesse processo.

Os produtos e serviços escolhidos para fazer parte das prateleiras virtuais atendem a cuidadosos critérios, a um código de conduta determinado pela EuCarbono. Não basta querer estar ali, é preciso que os fornecedores estejam alinhados com o tripé de baixo impacto ambiental, alto impacto social e que sejam economicamente viáveis. Ser biodegradável ou criado a partir de materiais de reuso, feito para durar, gerar renda para comunidades locais e respeitar o comércio justo são alguns dos critérios. A empresa deve também assinar um documento garantindo que não utiliza trabalho escravo, nem infantil e nem testes em animais.

Nunca se falou tanto em consumo consciente e nunca as pessoas tiveram tanto interesse em saber como elas podem mudar pequenos hábitos e fazer uma diferença no mundo. A EuCarbono chega para reunir estes conceitos num só lugar, garimpando soluções inovadoras, dando voz a empresas que se dedicam a isso e ainda efetivamente transformando este consumo em preservação ambiental.

“A gente promete amizade eterna entre consumo e meio ambiente. É paradoxal pois o que a gente ouve por aí é que quanto mais se compra pior fica, mas a EuCarbono afirma: depende de quem você compra, como você compra e como você consome. A gente inverte um pouquinho essa lógica”, explica Marina.

Esta forma revolucionária de pensar um negócio posiciona a EuCarbono como uma empresa do setor 2.5, terminologia ainda pouco conhecida que classifica empresas híbridas entre o segundo setor, o das empresas, e o terceiro, das ONGs. Estas empresas são conhecidas também como negócios sociais ou negócios de impacto, que têm como missão impactar positivamente social e ambientalmente, mas também gerar resultados financeiros positivos e sustentáveis. “Eu quero uma empresa promissora, financeiramente saudável, mas não a qualquer custo”, resume Marina.