Todos os artigos > Como Evitar Falência e Empresas
Como Evitar Falência e Empresas
Share on Facebook Compartilhar Share on Twitter Compartilhar Share on Linkedin Compartilhar Send email E-Mail Print this Imprimir Não estamos aqui mencionando endividamento com impostos, nem com fornecedores e muito menos com pessoal, estamos nos referindo ao endividamento com Bancos, estes sim, são os principais responsáveis pela falência de muitos empresas e profissionais liberais que …

Como Evitar Falência e Empresas

Publicado: 10.05.2019 - 16:27, por eCompare.com.br

Share on Facebook Compartilhar Share on Twitter Compartilhar Share on Linkedin Compartilhar Send email E-Mail Print this Imprimir Não estamos aqui mencionando endividamento com impostos, nem com fornecedores e muito menos com pessoal, estamos nos referindo ao endividamento com Bancos, estes sim, são os principais responsáveis pela falência de muitos empresas e profissionais liberais que …

Share on Facebook Compartilhar

Share on Twitter Compartilhar

Share on Linkedin Compartilhar

Send email E-Mail

Print this Imprimir

Não estamos aqui mencionando endividamento com impostos, nem com fornecedores e muito menos com pessoal, estamos nos referindo ao endividamento com Bancos, estes sim, são os principais responsáveis pela falência de muitos empresas e profissionais liberais que entram nas teias do emaranhado de contratos, limites de conta especial, contas garantidas, sem perceber em tempo que os Bancos se tornaram sócios controladores de suas finanças.

Acordem enquanto existe tempo, seu pesadelo atual pode se tornar uma luz no fim do túnel se medidas de imunidade financeira forem tomadas imediatamente.

Muito cuidado com os conselhos de um gerente de banco, eles são treinados, e, diga-se de passagem, muito bem treinados, para “fazer receita em cima de sua conta corrente”, fazer receita sempre em benefício do banco, independentemente das consequências negativas que seus conselhos venha lhe proporcionar já que, dificilmente alguma operação em benefícios dos bancos, serão positivas e boas para seus negócios, principalmente a médio e longo prazo.

Na hora parece ótima, acompanhe comigo esta situação:

Sua empresa tem uns três ou quatro contratos, cada um com cinco ou seis prestações vencidas, tem um limite na conta corrente que vive sempre estourado, uma conta garantida também sem amortização, somente acumulando juros…O gerente vem e lhe transmite que tem uma excelente solução para lhe apresentar, afinal você é cliente há anos e anos e ele diz que quer lhe ajudar…

“Vamos fazer o seguinte, diz o gerente: vamos unificar toda as dívidas em um novo contrato, eu consigo um valor maior que vai sobrar uma quantia para lhe desafogar e assim vai ser ótimo para sua empresa. Preciso apenas de uma garantia para hipotecar nesse novo contrato e pronto, tudo resolvido”…

Só que este novo contrato vai reunir todas as dívidas, acumuladas de juros em cima de juros, as parcelas vincendas dos contratos não vão sofrer nenhum desconto que deveriam, seus débitos irão aumentar bastante na soma destas operações e crescem ainda mais com a geração de um novo contrato, resumindo; sua dependência do sócio financeiro controlando cada vez mais suas finanças torna-se praticamente total.

Tudo isso sem contar as enumeras vendas casadas já adquiridas em abundância ao longo de todos esses anos de convivência.

Saia dessa situação enquanto a tempo.