Todos os artigos > Brasil é único país da América Latina a participar do maior programa de aceleração do Vale do Silício
Brasil é único país da América Latina a participar do maior programa de aceleração do Vale do Silício
Os números impressionam. São mais de R$ 25 milhões em trocas e uma taxa de retenção de 60%, mais que o dobro do mercado. Mas, do que estamos falando exatamente? Da Send4, startup comandada pelos empresários Cristian Trentin e Leo Frade, única selecionada da América Latina para o maior programa de aceleração de startups do …

Brasil é único país da América Latina a participar do maior programa de aceleração do Vale do Silício

Publicado: 07.08.2019 - 12:47, por eCompare.com.br

Os números impressionam. São mais de R$ 25 milhões em trocas e uma taxa de retenção de 60%, mais que o dobro do mercado. Mas, do que estamos falando exatamente? Da Send4, startup comandada pelos empresários Cristian Trentin e Leo Frade, única selecionada da América Latina para o maior programa de aceleração de startups do …

Os números impressionam. São mais de R$ 25 milhões em trocas e uma taxa de retenção de 60%, mais que o dobro do mercado. Mas, do que estamos falando exatamente? Da Send4, startup comandada pelos empresários Cristian Trentin e Leo Frade, única selecionada da América Latina para o maior programa de aceleração de startups do mundo, o 500 startups, no cobiçado Vale do Silício.

O programa, que contou com a participação de mais 2 mil startups do mundo todo, está em sua 25ª edição e selecionou apenas 30 empresas com potencial de crescimento e escalabilidade. “O programa de São Francisco já acelerou startups como a ContaAzul, Ingresse, Pipefy e IDwall, que são expoentes brasileiras. É o nosso programa mais longo, com duração de 4 meses, mais global, com mais de 2.000 inscrições do mundo todo por batch, e o único canal atualmente para uma startups brasileira receber investimento da 500 Startups. Por isso é tão importante que tenhamos a Send4 representando o potencial das startups brasileiras em competir e se destacar numa escala global”, conta  Itali Collini, diretora de operações da 500 Startups no Brasil. A 500 Startups é um dos fundos de investimento em capital semente mais ativos do mundo, com mais de 2.200 investimentos realizados ao redor do globo.

“O fato de sermos a única da América Latina diz muito sobre o pioneirismo do nosso negócio. Estamos há mais de 30 dias contando com mentorias e palestras nas mais variadas áreas, desde contratação de funcionários, precificação, experiência do usuário, e muito mais. A ideia é fazer com que a startup tenha um crescimento exponencial, e que, após o programa, além de novas rodadas de investimentos consigamos trazer, sobretudo, novidades para o varejo”, explica Cristian Trentin, CEO da Send4.

E a escolha da Send4 para a 500 startups, é um reflexo não só dos resultados que ela vem apresentando, mas também do reconhecimento que a empresa vem tendo com grandes players do varejo. A prova disso é que a startup foi reconhecida como Top10 RetailTech – startups com atuação voltada ao varejo – e recentemente foi selecionada como uma das 100 mais promissoras do Brasil, no programa 100 startups to watch. “O que a Send4 e o Troque Fácil fazem é concentrar esforços em uma etapa muito importante da venda: o pós-venda, muitas vezes deixado de lado. Para se ter uma ideia, depois de ter uma boa experiência de troca, cerca de 92% dos clientes voltam a fazer negócio num estabelecimento”, conta o CEO. E é com essa fórmula que a startup vem revolucionando a jornada de compra dos consumidores e, consequentemente, a relação entre as marcas e seus compradores.

Logística reversa para fidelizar e reter clientes

Quem nunca passou por isso? Comprar uma peça de roupa em um e-commerce e, quando a compra chega o tamanho é diferente ou a cor não é exatamente como se havia imaginado. Esse é um cenário bem mais comum do que se imagina. Um estudo divulgado pela Send4 mostra que, hoje, cerca de 90% das lojas online têm devoluções de mercadorias. Dessas devoluções, 43% estão relacionadas a diferenças na cor e no tamanho do produto, 23% a produtos danificados e 10% não condiz com a descrição no site.

Esses dados são fundamentais quando se pensa no futuro do varejo online e offline e na retenção e satisfação do cliente que realiza compras online hoje. “Esses números trazem um diagnóstico não só dos clientes, mas, sobretudo, do negócio. Cerca de 90% dos clientes que passam pela experiência de troca não comprariam em lojas que dificultam a troca. Ou seja, pensar na logística reversa é fundamental em um cenário em que cerca de 76% dos brasileiros realizam compras online. Esse pode, e é, um fator decisivo para o crescimento das marcas”, explica Trentin.